Taças de Vinho- Saiba a diferença entre cada taça 

Por mais que alguns achem bobagem, é importante sim usar a taça correta para cada tipo de vinho. 

E não é uma questão de requinte (ou frescura), e sim de um melhor aproveitamento do vinho. Cada taça tem uma função, para nos ajudar a usufruir de forma plena o vinho  (aroma, sabor,etc). 

Interessante:

Um fato já sabido pelos apreciadores do vinho é que os sabores específicos (doce, salgado, amargo, etc.) são sentidos por papilas gustativas de diferentes localizações no mapa da nossa língua. Assim, especialistas são unanimes em dizer que degustar a bebida num recipiente que direcione cada uma de suas características principais, como acidez, doçura e sabores, ao lugar exato na boca onde ela será mais bem apreciada é de essencial importância. De fato, alguém com paladar um tanto mais aguçado perceberá diferenças grandes em um mesmo vinho se bebido em taças diferentes.

 Outros fatores são importantes para potencializar as qualidades da bebida na sua apreciação. A tonalidade do vinho será mais bem percebida numa taça cuja transparência é notável, por isso a qualidade do vidro faz diferença. Para não alterar a temperatura ideal de serviço do vinho, é necessário que a taça tenha hastes longas, para que se possa segurá-la sem que haja o contato com o recipiente onde fica a bebida. Os aromas serão realçados em taças com bojo mais aberto; no caso dos espumantes, o formato longo favorece a visualização de suas bolhas e à apreciação dos seus aromas. 

Aqui vamos citar com mais detalhes as 4 taças mais encontradas nas casas, atualmente. 

Espumante

Taça Flute – champagne e espumantes – taça de cabo alto, bojo comprido e estreito para preservar as “borbulhas” (gás carbônico) existentes nessas bebida o máximo de tempo possível.

Vinho Branco


Taça Vinho Branco – menores em relação a taça de vinho tinto para que a temperatura baixa do vinho branco dure por mais tempo, sendo menor a taça, a troca de calor também é menor.

Vinho Tinto 


Taça Vinho Tinto – para liberar todo aroma e o sabor intenso que o vinho tinto apresenta, ele precisa de espaço para respirar, por isso a taça tem um corpo grande. O formato é ideal para que o vinho dance pelo copo, por isso deve ser servido apenas 1/3 da taça.

Vinho do Porto

Taça Vinho do Porto – possui um corpo menor e mais alongado que a taça de vinho branco, a taça valoriza ainda mais a elegância vinho do porto, podendo apreciar sua cor e seus aromas de sabores.

Talvez nas imagens individuais você não perceba plenamente as diferenças entre as taças. Por isso essa imagem abaixo será de grande ajuda. 

 

 10 DICAS PARA ASSAR UM BOM CHURRASCO

foto: supervidal

1) Antes de assar as carnes, certifique-se que o fogo esteja estabilizado. Nada de labaredas ou fumaça em excesso! 
2) Preste atenção na temperatura da carne antes de levá-la à churrasqueira. Se ela foi congelada, deve ser descongelada antes e estar em temperatura ambiente ao ir para o fogo.
3) Distribua o sal grosso por todo o corte, retirando o excesso enquanto a carne estiver assando. Lembrando que o sal não deve estar úmido.
4) Evite os “temperos especiais”. Basta sal para a carne ficar deliciosa.
5) O espeto deve estar a 40cm do fogo, para proteger a carne das altas temperaturas das churrasqueiras e evitar que fique seca.
6) As labaredas não devem estar altas para não entrar em contato com a carne, não secá-la demais e nem carbonizar a superfície. Para conter as labaredas, nunca jogue água, caso contrário a churrasqueira perde muito calor.
7) Para abaixar as labaredas, jogue um pouco de cinza de churrascos anteriores ou até mesmo um punhado de areia.
8) Quando achar que a carne está pronta, retire-a do fogo e corte um pedaço para ver o corte internamente.
9) Fatias finas aumentam o sabor do churrasco.
10) Não tenha pressa. É preciso respeitar o tempo de preparo de cada corte, evitando-se acelerar ou retardar o processo.

Guia da Comida Japonesa para iniciantes 

A comida japonesa divide muitas opniões. Normalmente as pessoas que gostam, não somente gostam, são viciadas loucamente nela. E alguns, normalmente movidos pela estranheza de comer algo com sabor extremente diferente, não se permitem conhecer. 

Se você é uma daquelas pessoas que têm vontade de conhecer melhor essa incrível comida, mas, não sabe por onde começar, esse pequeno guia com fotos vai te dar uma ajudinha. 

(Se tiver alguma dica, ou dúvida, que ache interessante acrescentar, coloquem nos comentários, é sempre legal saber o que vocês acham). 

Muitas pessoas não conseguem se imaginar dispensando o bom e velho garfo e comendo peixe cru com o auxílio de palitinhos. A idéia pode parecer estranha para os que não estão acostumados, mas a verdade é que a comida japonesa é apreciada por milhões de pessoas em todo o mundo. Sua popularidade dentre os restaurantes internacionais aumentou tanto que atualmente é tão fácil encontrar restaurantes japoneses quanto pizzarias nas grandes cidades. Todo esse sucesso se deve não somente ao sabor exótico, mas também ao diferencial saudável que a maioria dos pratos japoneses tem.

Muitas pessoas deixam de provar a comida japonesa por medo de não apreciarem o seu sabor, devido à falta de prática na hora de escolher o que comer. Pensando nisso, preparamos um guia para que você possa aproveitar o que a culinária japonesa tem de melhor. Confira:

Hashi: O primeiro passo para apreciar os pratos japoneses é aprender a comer com o hashi. Ingerir comida japonesa com garfo e faca não é recomendado, já que os japoneses consideram a faca uma arma e, por essa razão, ela não deve ser levada à mesa. Faça isso apenas em último caso. O uso do hashi requer um pouco de prática, mas não é nenhum bicho de 7 cabeças. Siga esses passos:
  

Principais pratos:

  

Sushi: 

foto: nazosushibar

O mais famoso prato japonês é um bolinho de arroz coberto por peixes ou frutos do mar crus. No geral, você deve comer o sushi de uma vez, enfiando-o todo na boca. Os tipos mais conhecidos de sushi são o nigiri, o gunkan, o norimaki e o chirashi, além do temaki, que é um cone de algas recheado com arroz, peixe cru ou frutos do mar e legumes. Os temakis, que são perfeitos para um lanche rápido, se tornaram tão populares que existem restaurantes especializados na sua venda, conhecidos como temakerias.

Sashimi: 

 

foto: temakeriamatsuba


 

São fatias de peixe fresco cru, temperados com shoyu (molho de soja) e wasabi (raiz forte). Os tipos de sashimi mais consumidos são: Maguro (atum), Toro (atum gordo), Ika (lula), Tako (polvo), Ebi (camarão ou lagosta), Saba (peixe cavala) e Sake (salmão).


Tempura

foto: cyberclock

São frutos do mar e vegetais empanados em uma solução de água gelada, ovo e farinha de trigo, fritos em óleo muito quente e servidos com shoyu. São uma excelente opção para quem ainda não se sente pronto para comer alimentos crus.

Hot Roll e Hot Filadélfia: 

 

Foto: montandominhacasa

  

Foto: homechefrafa

 

Ambos são bolinhos de arroz com recheio de cream cheese e frutos do mar. A diferença entre eles é que o Hot Roll é envolto em massa folhada, enquanto o Hot Filadélfia é coberto por alga empanada e farinha de tempura.

Hahumaki ou Rolinho Primavera:

  

Os rolinhos-primavera (também conhecidos vulgarmente como “spring rolls”) são uma das preparações da culinária da China e do sudeste asiático que foram adotadas em praticamente todo o mundo, constituindo um salgadinho muito popular. São efetivamente rolos com 10-15 cm de comprimento e 2-3 com de espessura, feitos com massa de farinha, originalmente de arroz, mas que também pode ser de trigo, estendida muito fina (ou assada numa frigideira como os crepes) e recheada com vegetais finamente cortados e, por vezes, carne ou camarão.
Temaki:

  

TEMAKI nada mais é que um tipo de sushi em forma de cone, enrolado à mão com o NORI (alga). TE – significa “mão” e MAKI – “enrolado”. Tem mais ou menos 10 cm de comprimento e é servido para comer com as mãos, já que é muito difícil pegá-lo com o hachi (palitinho). Os recheios mais comuns são de salmão, california (kani, manga, pepino, cream-cheese), atum, peixe branco, ovas, vegetais e acompanha uma pastinha de maionese com cebolinha. São servidos ainda com wasabi (raiz forte) e molho shoyu. Um temaki deve ser comido logo após sua preparação, já que a alga absorve rapidamente a umidade do recheio, deixando-a maleável e difícil de morder.


Saquê: 

Foto: viagem.uol

A tradicional bebida japonesa é feita à base de de arroz e água. Pode ser apreciada gelada ou quente e possui teor alcoólico que pode variar entre 10 e 20%. Nos restaurantes, o saquê é servido em um recipiente especial chamado massu. Atualmente, já é possível encontrar o produto em embalagens de papelão, em importadoras de bebidas.

Agora que você já sabe o que pedir em um restaurante japonês, veja quais atitudes você deve evitar quando estiver à mesa para que a refeição seja um sucesso:
– Use o shoyu em pequenas quantidades e não fique rolando o sushi no molho. Dessa forma, o arroz acaba perdendo a aderência e é certo ter um acidente de percurso até a boca!
– Jamais espete os hashis no arroz ou passe a comida para outra pessoa, de hashi para hashi. Essas práticas remetem aos funerais japoneses. Além disso, durante a refeição, mantenha os hashis sempre próximos, paralelos ao corpo e à mesa e nunca apontando para alguém.
– Quando comer das tigelas, leve-as junto ao corpo ao invés de se inclinar até elas. Ao final da refeição, tampe-as para que sejam retiradas.
– A maneira correta de comer sushi é temperar com shoyu a parte onde está o peixe e levá-lo à boca de forma que o peixe fique em contato com a língua, para sentir melhor o sabor.